Pular direto para o conteúdo principal.

Pular para o menu superior.

Pular para caixa de busca.

Pular para o menu esquerdo.

Pular para o menu direito.

Ferramentas Pessoais
Acessar
Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Imprensa Notícias Criminal MPF denuncia ex-presidente do Atlético Mineiro por crimes de calúnia e injúria

MPF denuncia ex-presidente do Atlético Mineiro por crimes de calúnia e injúria

Alexandre Kalil atingiu a honra de juiz federal por meio de mensagens ofensivas publicadas em sua página na rede social twitter e em entrevista concedida a órgão de imprensa

04/01/2016




Belo Horizonte. O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o ex-presidente do Clube Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, por crimes de calúnia e injúria (artigos 138 e 140 do Código Penal) praticados contra um juiz federal de Belo Horizonte.

A pena prevista para o crime de calúnia é de seis meses a dois anos de prisão, e para a injúria, de um a seis meses. No entanto, como os crimes teriam sido praticados contra servidor público federal em razão de suas funções, e ainda em meio que facilitou a divulgação das ofensas, as penas podem ser aumentadas de um terço (artigo 141, II e III, do Código Penal).

Os fatos aconteceram no final de 2014, quando Alexandre Kalil ainda presidia o clube. No dia 10 de novembro daquele ano, o juiz da 26ª Vara Federal determinou o arresto de valores arrecadados pelo clube com a venda de ingressos para o primeiro jogo da final da Copa do Brasil, que ocorreria no dia 11 em Belo Horizonte.

A decisão judicial atendia pedido feito pela Procuradoria da Fazenda Nacional em ação de execução na qual se cobrava do Atlético Mineiro dívida com a União no valor, à época, de R$ 11.891.500,24.

Inconformado com a decisão, no dia seguinte, o denunciado postou, em sua página pessoal no Twitter, três mensagens ofensivas à honra do juiz federal, o que gerou grande repercussão. O MPF destaca que a primeira mensagem foi retransmitida 690 vezes e "curtida" por 655 pessoas; a segunda, retransmitida 888 vezes e "curtida" por 782 pessoas, e a terceira, repassada 1.350 vezes e "curtida" por 1.135 pessoas.

Além disso, as mesmas mensagens foram também reproduzidas por veículos de imprensa, incluindo portais e impressos de circulação nacional.

No dia 12, além de publicar no site do clube nota à imprensa novamente imputando ao juiz federal razões extrajurídicas para a decisão, o denunciado, em entrevista a um canal de TV especializado em esportes, ainda imputou falsamente à vítima a prática de fato que poderia configurar o crime de violência doméstica, declarando que o magistrado "é habituado em bater em mulher" e que "gosta de bater em mulher".

Segundo a denúncia, ambas as declarações tiveram grande repercussão nos meios de comunicação.

A Associação dos Juízes Federais expediu nota pública de repúdio e representou contra o denunciado, tendo sido instaurado inquérito policial para apuração dos fatos.

Em seu depoimento à Polícia Federal, Alexandre Kalil admitiu ter sido o autor das postagens e tentou se retratar das ofensas.

Para o MPF, "nos termos do art. 143 do Código Penal, não é possível a retratação no crime de injúria, uma vez que atinge esta a honra subjetiva. Assim, ofendida a vítima, não há desdito que possa alterar a situação concretizada".

Além disso, se o denunciado quisesse se "retratar publicamente e inequivocadamente de ambas as imputações, de forma a permitir que a imagem da vítima fosse, de fato, restaurada perante a sociedade", ele teria de fazê-lo pelos mesmos canais de divulgação através dos quais efetuou a desonra, o que não ocorreu.

A denúncia foi recebida no dia 10 de dezembro, tendo sido instaurada a Ação Penal nº 64345-31.2015.4.01.3800.


Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em Minas Gerais
Tel.: (31) 2123.9008 / 9010
No twitter: mpf_mg


Procuradoria da República em Minas Gerais
Av. Brasil, 1877 - Bairro Funcionários - CEP 30140-007 - Belo Horizonte/MG - Tel: (31) 2123-9000
Horário de Atendimento ao Cidadão: 2ª a 6ª feira, de 12 às 18 horas