Pular direto para o conteúdo principal.

Pular para o menu superior.

Pular para caixa de busca.

Pular para o menu esquerdo.

Pular para o menu direito.

Ferramentas Pessoais
Acessar
Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Imprensa Notícias Criminal Mineradora destrói caverna e é denunciada por crime ambiental

Mineradora destrói caverna e é denunciada por crime ambiental

Empresa ignorou notificações dos órgãos ambientais e acabou destruindo uma cavidade com mais de 15 metros de comprimento

15/07/2011




Passos. O Ministério Público Federal (MPF) em Passos denunciou a mineradora Itaci e seu sócio-gerente, João Frederico Araújo Leite, por crime ambiental.

Eles são acusados de destruírem, com o uso de explosivos, uma cavidade subterrânea existente no Sítio Jacaré, zona rural de Carmo do Rio Claro, no sul de Minas Gerais. As cavernas são consideradas bens da União e integram o patrimônio cultural brasileiro. Por isso, a sua destruição configura crime previsto no artigo 62 da Lei 9.605/98.

De acordo com a denúncia do MPF, a Mineração Itaci Ltda sucedeu outra empresa - Consmar Extração Comércio e Transporte de Minérios - no direito de lavra de pedra calcárea.

Acontece que, no ano de 2003, quando a Consmar requereu ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) o licenciamento para suas atividades, foi avisada de que seus estudos haviam ignorado a existência de uma caverna de aproximadamente 15 metros de comprimento, largura máxima de cinco metros chegando a meio metro nas extremidades e altura que podia chegar a 2,5 metros. No local, havia sedimentos, fauna e invertebrados, que também não foram relatados no estudo da empresa.

Em virtude desse achado, os técnicos do Ibama manifestaram-se contrariamente ao pedido de exploração do minério.

Três anos depois, João Frederico de Araújo Leite requereu ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) a homologação da cessão dos direitos minerários. Em 2007, o Ibama efetuou nova vistoria no local e descobriu que a caverna ainda existia, mas tinha sofrido graves danos decorrentes das atividades de exploração da pedra.

Na ocasião, os técnicos do Ibama informaram aos denunciados todos os procedimentos que deveriam ser adotados para que o local pudesse passar por nova avaliação quanto à possibilidade de intervenção em área cárstica.

Os denunciados ignoraram completamente todas as determinações.

Um ano depois, em 2008, policiais militares e o Ministério Público Federal flagraram o carregamento de explosivos na área da mina e verificaram que, apesar de todos os avisos e notificações do órgão ambiental federal, a caverna havia sido totalmente destruída.

Em caso de condenação, as sanções aplicáveis à empresa são a suspensão das atividades, a proibição de contratar com o Poder Público e a prestação de serviços à comunidade. O gerente da empresa pode pegar de um a três anos de prisão.


Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em Minas Gerais
(31) 2123.9008
No twitter: mpf_mg

Procuradoria da República em Minas Gerais
Av. Brasil, 1877 - Bairro Funcionários - CEP 30140-007 - Belo Horizonte/MG - Tel: (31) 2123-9000
Horário de Atendimento ao Cidadão: 2ª a 6ª feira, de 12 às 18 horas